Inteligência emocional no trabalho: por que afeta os resultados?

Compartilhar

O desenvolvimento da inteligência emocional no trabalho proporciona ganhos tanto para o colaborador quanto a empresa, pois lida com um conjunto de competências emocionais e sociais que influenciam na maneira de se perceber, manter relações sociais e lidar com desafios.

Aplicado pela primeira vez em documentos científicos de 1966, o termo inteligência emocional só foi aprofundado duas décadas depois pelo psiquiatra infantil Stanley Greenspan. Isso foi feito novamente em 1990 pelos psicólogos Peter Salovey e John Mayer.

Na definição da dupla, a inteligência emocional foi definida como a capacidade de perceber e exprimir emoção, assimilá-la ao pensamento, compreender e raciocinar com ela, e saber regulá-la em si próprio e nos outros.

Como seres emocionais, os colaboradores precisam desse tipo de inteligência no ambiente de trabalho — que deve ser livre de certos sentimentos e comportamentos nocivos aos resultados desejados pela organização.

Continue a leitura e veja a importância da inteligência emocional no trabalho.

O que é ter inteligência emocional no trabalho?

Inteligência emocional é a capacidade que um indivíduo tem de administrar as próprias emoções e utilizá-las a seu favor. Envolve também compreender as emoções das outras pessoas, contribuindo com a construção de relações saudáveis e escolhas conscientes.

Essa capacidade é importantíssima para o sucesso no ambiente profissional. A inteligência emocional no trabalho permite que o indivíduo pense, sinta e aja sem deixar que suas emoções o controlem ou fiquem acumuladas a ponto de reproduzir ou criar traumas.

O fato é que a inteligência emocional é capaz de orientar o profissional em duas principais direções. São elas:

  • aprender a lidar com as emoções humanas;
  • analisar como elas se manifestam em cada pessoa.

Desse modo, a inteligência emocional traz a percepção da forma como os sentimentos podem potencializar ou limitar a construção de uma vida plena. Ela possibilita também identificar os pensamentos e comportamentos que são, ao mesmo tempo, automáticos e indesejados.

O indivíduo que é emocionalmente inteligente consegue neutralizar as emoções negativas que reproduzem comportamentos destrutivos, como a falta de resiliência nas relações de trabalho, além de maximizar aquelas que podem gerar resultados positivos.

Qual a importância disso para o profissional?

Todo mundo tem inteligência emocional. No entanto, as pessoas apresentam essa capacidade em diferentes níveis. O fato é que algumas emoções podem crescer e tomar conta do indivíduo.

Imagine reuniões de trabalho sobre um projeto grande e importante, que necessita a contraposição de ideias. Isso pode gerar discussões e, consequentemente, um incômodo para alguém.

Outras situações de incômodo podem ser acumuladas e, em um determinado ponto, estarem tão intensas que se transformam em estresse e outros sentimentos ruins. É nesse estágio que as emoções tomam o controle do indivíduo e causam momentos de explosão.

funcionários debatendo ideias
A inteligência emocional no trabalho precisa ser desenvolvida nos colaboradores para melhorar a produtividade e o próprio bem-estar deles.

Por esse motivo, é fundamental ter inteligência emocional no trabalho para entender que emoção tenta tomar conta dos seus atos, além de nomear e compreender a expectativa que existe por trás disso. Afinal, em muitos casos ela é inconsciente.

Quando ocorre o desenvolvimento da inteligência emocional no trabalho, o ambiente se torna mais saudável e produtivo. Perde-se menos tempo e energia com o que é irrelevante para o sucesso da organização, como especulações e fofocas.

Estimular a cultura da gestão de emoções permite orientar seus colaboradores pelo caminho do sucesso, diminuindo as chances de que emoções e pensamentos negativos os dominem. Sendo assim, o ganho vem em produtividade.

Como líder, você deve estar sempre consciente sobre suas competências emocionais para gerenciar pessoas diferentes. Essa pluralidade estimula a criatividade e a inovação, mas pode ser um convite para o conflito.

Nesse caso, o desenvolvimento da sua inteligência emocional no trabalho contribui também com o poder de influência no gerenciamento de diferentes equipes — algo essencial para o seu sucesso na gestão, pois elas se complementam.

Como desenvolver a inteligência emocional no trabalho?

Busque autoconhecimento

A inteligência emocional é obtida a partir da busca pelo autoconhecimento. Para ter consciência em relação às emoções que sente, é necessário se conhecer. Workshops e palestras em sua empresa podem expandir esse conhecimento para todos os colaboradores.

Fortaleça a autoestima

Pontos positivos e negativos devem ser reconhecidos. Uma forma de fazer isso é por meio do feedback com sua equipe. Ele precisa ter duas vias, ou seja, servir para falar e ouvir. A partir do que for levantado, é fundamental buscar as melhorias necessárias.

Estimule a empatia

É comum avaliarmos todo e qualquer contexto a partir de nossas vivências. No entanto, elas não são parte das experiências vividas por outras pessoas. Por isso, estimule a empatia por meio do diálogo e a colaboração no ambiente de trabalho.

Saiba lidar com a pressão

O ambiente de trabalho é composto por pessoas diferentes, mas que lutam pelos propósitos da organização. A pressão por resultados pode desencadear desequilíbrio emocional, portanto, é importante mostrar aos colaboradores que ser resiliente permite separar o profissional do pessoal.

Note que o desenvolvimento da inteligência emocional no trabalho direciona todos, inclusive você, para um caminho de sucesso e conquistas. A empresa ganha um time mais motivado e consegue obter os resultados planejados — podendo até superá-los.

botão fale conosco

Que tal levar os benefícios da inteligência emocional para a sua empresa? Fale conosco e conheça nosso programa de qualidade de vida no trabalho!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

banner-sidebar-solucao-para-rh-2-easy